Intervenção Neuropsicológica Remediativa

Durante a leitura, a escrita, a execução de cálculos matemáticos, a resolução de problemas e a memorização de informações e de procedimentos, as informações precisam ser selecionadas, codificadas, transcodificadas, mantidas, manipuladas, armazenadas, modificadas, consolidadas, recuperadas e decodificadas. Assim, aprender demanda processos perceptivos, atencionais, mnésicos e linguísticos, além de um bom gerenciador capaz de planejar, monitorar, regular e avaliar.

Assim, a Intervenção Neuropsicológica Remediativa tem como objetivos o desenvolvimento de habilidades e competências acadêmicas e a estimulação de processos cognitivos e metacognitivos subjacentes à aprendizagem. Parte de Evidências da Neuropsicologia Cognitiva e utiliza técnicas do Modelo de Resposta à Intervenção (RTI). É voltada para o tratamento de Transtornos de Aprendizagem e de Dificuldades de Aprendizagem nos domínios:

  • Leitura de Palavras
  • Compreensão de Texto
  • Expressão Escrita
  • Execução de Cálculos Matemáticos
  • Resolução de Problemas Matemáticos

O plano terapêutico é focado na Habilidades Acadêmicas e pode envolver:

  • mediação para facilitar a apreensão, memorização e consolidação das informação na memória; 
  • construção de conhecimento conceitual e procedural;
  • revisão conceitual;
  • explicitação instrucional;
  • execução de atividades escolares para automatização e controle de procedimentos;
  • ensino de estratégias compensatórias;
  • conscientização para possibilitar a autorregulação da aprendizagem;
  • monitoramento do progresso a partir de avaliações quantitativas e qualitativas.

Em muitos casos, os responsáveis participam ativamente da terapia com o objetivo de dar sequência à estimulação no ambiente familiar. Além disso, a escola recebe sugestões sobre como realizar as adequações curriculares. 

Ao longo do tratamento, há o monitoramento do progresso. Ressalta-se que, em razão de se tratar de indivíduos em desenvolvimento e com dificuldades importantes, o plano terapêutico pode ser reformulado (modificação de estratégias e de intensidade), conforme a resposta do paciente à intervenção e/ou o aumento das demandas acadêmicas e sociais.