Contexto Escolar

Afinal, qual a função da Memória de Trabalho para a aprendizagem?

Qualquer código, seja ele visual, verbal, tátil, auditivo, gustativo ou olfativo, precisa estar sob o foco da atenção para ser operado e transcodificado. Além disso, requer que tenhamos experiências prévias e processos automatizados.

Enquanto você lê esse texto, cada palavra escrita se transforma automaticamente em uma palavra lida com um significado. Se o texto estivesse escrito em braille, você seria incapaz de lê-lo. Se fosse em russo, você até os converteria em palavras, mas dificilmente teria acesso ao significado.

Dentro da nossa mente, a informação precisa ser mantida por algum tempo para ser manipulada e conectada com outras informações oriundas de nossa memória de longo prazo e/ou de nossa percepção.

Esse armazenador temporário e limitado, onde a informação é mantida e manipulada, é chamado de Memória de Trabalho. É um sistema complexo subdividido em subsistemas (alça visuoespacial, buffer episódico, alça fonoarticulatória e executivo central).

Essa orquestra  é regida pelas funções executivas, que têm a importantíssima tarefa de organizar e controlar todas essas informações.

Como se pode perceber, aprender requer uma engrenagem sincronizada de processos cognitivos, além de um estado emocional tranquilo, um ambiente estimulante e uma alimentação rica em nutrientes.

Somos diversos: cada um tem experiências prévias e atuais únicas, diferentes substratos biológicos e variados funcionamentos psíquicos.

Assim, acabamos processando as informações na memória de trabalho de uma forma única.

Diante disso, nosso papel enquanto pais, clínicos e educadores é proporcionar um ambiente empático e desafiador com estímulos que respeitem as possibilidades e as características de cada sujeito aprendente, a fim de promover o desenvolvimento de todo o potencial de nossas crianças para que se transformem em futuros adultos autônomos, competentes, éticos e curiosos.

Por Francéia Liedtke, psicóloga,

mestranda no Programa de Pós  Graduação em Psicologia  – UFRGS

Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Neuropsicologia Cognitiva – UFRGS